Escola de Aplicação do Recife tem oito equipes selecionadas para a final da Olimpíada Nacional em História do Brasil.

      Ao todo, 307 equipes foram convocadas para a grande final, que acontece no mês de agosto, em Campinas. A 9ª edição da Olimpíada Nacional em História do Brasil (ONHB) terá este ano a participação de 11 equipes representando Pernambuco. Desses grupos selecionados, oito fazem parte da Escola de Aplicação do Recife, tornando a unidade de ensino uma referência na competição. Ao todo, 307 equipes foram convocadas para a grande final, que acontece no mês de agosto, em Campinas. Esta edição contou com 12.028 grupos, um total de 48 mil estudantes inscritos em todo o Brasil. E em alusão ao aniversário de 200 anos da Revolução Pernambucana de 1817 e aos 100 anos da Revolução Russa (1917), a garotada do Estado pretende revolucionar e trazer as primeiras colocações como em outras edições da Olimpíada. Todos os finalistas passaram por cinco fases de provas online, com duração de uma semana cada. As questões de múltipla escolha e realização de tarefas foram respondidas pelos participantes por meio de debate com os colegas, pesquisa em livros, internet e orientação do professor. As equipes são compostas por um professor de História e três alunos, e a competição é aberta a estudantes dos 8º e 9º anos do Ensino Fundamental e todos os anos do Ensino Médio. Para o professor de História da Escola de Aplicação do Recife, Ivan Lima, esse feito só confirma a dedicação desses alunos, que compareceram em massa às aulas preparatórias durante os sábados nos meses de fevereiro, março e abril. “Nós somos a única escola dentre as privadas e públicas de Pernambuco a participar de todas as finais desde 2012, algo muito significativo para todos, nos tornando referência na competição.

  Em 2015 conseguimos um ouro, uma prata e um bronze. Ano passado ficamos com um bronze. E a prova final não é simples, são cerca de 100 páginas contendo documentos históricos para avaliação das respostas, e os alunos realizam pesquisas como se fossem historiadores, produzindo conhecimento”, explicou. Ana Sofia Faria, 15 anos e aluna do 1º ano, faz parte da equipe “Polentinhas do Arrocha”, que ficou em primeiro lugar no Estado. Ela falou sobre a dificuldade encontrada no processo até chegar à final. “Durante as provas senti dificuldade, apesar de estar psicologicamente bem, porque já tinha participado no ano passado, mas fiquei um pouco tensa. Depois relaxei e deu tudo certo”, disse. A sua colega de equipe, Manuela Silvestre, também com 15 anos, relatou como foi a preparação. “Estudei sempre junto com meus colegas aos sábados, mas também falava com as meninas via Skype para discutir, pesquisei muito em livros e sites e levava o que havia encontrado para debater com as meninas”, falou.

 Final da 9ª edição.

  A final da 9ª edição da ONHB será realizada nos dias 19 e 20 de agosto. No primeiro dia (sábado), as equipes realizam a prova presencialmente durante a manhã, sem a companhia do professor. O resultado é comunicado na manhã de domingo em uma cerimônia onde são distribuídas 15 medalhas de ouro, 25 de prata e 35 de bronze, de acordo com a pontuação. Os demais recebem medalhas de honra ao mérito.

 Sobre a ONHB.

  A ONHB é um projeto realizado pelo Departamento de História da Unicamp. Em 2017, na sua 9ª edição, consolida-se com uma importante ferramenta de aprendizado do ensino de História. Com uma proposta totalmente inovadora, tem como principal objetivo incentivar o desenvolvimento da análise crítica e discussões sobre os mais variados assuntos, por meio de pesquisa, da busca por informações, textos, imagens e mapas. A participação também permite o envolvimento entre colegas e o professor. Tem apoio do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) e do Programa de Pós-Graduação em História da Unicamp.

Marcadores:
Reações:

Postar um comentário

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget