Novo titular da SDS assume nesta sexta-feira.

Uma gestão de continuidade, sem grandes rupturas. Nas próprias palavras do delegado de Polícia Federal Antônio de Pádua, que hoje assume a Secretaria de Defesa Social (SDS), seu trabalho seguirá a linha adotada pelo antecessor, o carioca Ângelo Gioia, que alegou problemas de ordem pessoal para deixar o cargo, nove meses depois de tê-lo assumido.


Durante esse período, Pernambuco experimentou o mês com o maior número de assassinatos desde o início do Pacto pela Vida, em 2007: março, com 550 mortes violentas. Mas o governo alega que é justamente esse o ponto em que a curva volta a descer. Abril e maio, de fato, registraram 514 e 457 homicídios, respectivamente. E a gestão espera uma redução ainda maior nos dados de junho, que serão divulgados no dia 15 de julho.

Números ainda alarmantes e que motivaram, na manhã de ontem, um protesto em frente ao Palácio do Campo das Princesas, no bairro de Santo Antônio, Centro. Integrantes do movimento PE da Paz encenaram as mortes de jovens pobres e negros nas imediações do Tribunal de Justiça, uma vez que foram impedidos de chegar ao Palácio. “Nossa intenção é manter o assunto na pauta. Entre outras coisas, queremos conversar com o novo secretário e que ele se comprometa a ativar o Conselho Estadual de Segurança, que mesmo previsto no Pacto pela Vida, nunca funcionou”, diz Tales Ferreira, um dos organizadores.

Antônio de Pádua vai começar sua gestão após a de Gioia – de quem foi corregedor na própria SDS – ter aparado algumas arestas que, na opinião do governo, atrapalhavam o combate à criminalidade. A primeira é o que o próprio Ângelo Gioia chama de “restabelecimento da hierarquia e da disciplina”. Foi dele a condução do processo que se iniciou em dezembro de 2016 e culminou com o esvaziamento das lideranças de associações militares. “Comandado não grita com comandante”, dizia ele.

PLANOS.

Foi durante a gestão do carioca que o governo conseguiu aprovar novos planos de carreira para as Polícias Civil e Militar, “amarrando” as categorias contra protestos e greves brancas. A gestão diz ter mudado o foco nas prisões. “Passou-se a focar nos homicidas por atacado, nos grupos de extermínio e nos que matavam por disputa de pontos de tráfico de droga”, diz Gioia.

Ontem, durante a última reunião semanal do Pacto pela Vida como secretário, Ângelo Gioia deixou claro que Pádua vai ter um caminho mais livre que o ele encontrou. “Ele chega num momento melhor do ponto de vista institucional. Eu cheguei em um cenário de desrespeito no ambiente policial, em um momento de ascensão da criminalidade que acontecia muito por conta desse esgarçamento do ambiente policial”. Gioia fez questão de deixar claro que o legado de sua gestão à frente da SDS foi a recuperação da autoridade. “Não existe polícia no mundo onde haja desrespeito à disciplina. Somos servidores diferenciados pela natureza do trabalho que fazemos, e sem essa disciplina o que se tem é o caos”.

Presente à reunião, o governador Paulo Câmara disse apostar na continuidade da queda dos índices de criminalidade. “Junho é um mês em que os resultados preliminares apontam uma redução significativa com relação aos meses anteriores. Os resultados estão começando a aparecer da forma que a gente quer, mas ainda existe um longo caminho a ser percorrido”.




Marcadores:
Reações:

Postar um comentário

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget